Publicada em 26 de Julho de 2019

DNIT realiza reuniões comunitárias em Timbé do Sul

As obras de implantação e pavimentação da BR-285/RS/SC foram tema de duas reuniões comunitárias realizadas nesta semana em Timbé do Sul. Equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT/SC) e da Gestora Ambiental do empreendimento (STE S.A.) dialogaram com os moradores sobre assuntos como desapropriação, uso e ocupação da faixa de domínio, projeto de sinalização, segurança no trânsito, entre outros temas. As reuniões ocorreram nos dias 23 e 24/07, no salão comunitário do Pé da Serra e na Associação de Moradores da Vila Belmiro, respectivamente, e contaram com a presença de aproximadamente 70 pessoas.

A comunidade recebeu a informação de que 76 processos indenizatórios foram ajuizados e aguardam a Justiça Federal determinar a data das audiências de conciliação. Conforme o DNIT, a expectativa é que o segundo mutirão ocorra no mês de setembro contemplando proprietários de áreas do Contorno de Timbé do Sul até o Pé da Serra. Serão abertos também os processos de quem possui terrenos na Serra da Rocinha, cujas audiências ficarão para o ano que vem. A equipe reforçou orientações a respeito da extensão da faixa de domínio da rodovia, que consiste na delimitação do espaço que pertence ao patrimônio público e que será indenizado, e lembrou que por lei existe também uma reserva de área não edificável na qual os proprietários não podem construir.

As equipes dos Programas de Educação Ambiental e Comunicação Social apresentaram dados relativos ao andamento e cronograma das obras no Lote 2, que tem percentual de execução de 62% dos serviços contratados. Foram informados ainda os retornos e encaminhamentos de demandas feitas pelos moradores em encontros anteriores. Uma das principais preocupações envolve a segurança no trânsito em virtude da pavimentação do trecho urbano. De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), há área e recursos disponíveis para construção de um posto às margens da rodovia na localidade da Rocinha. O inspetor da PRF Tubarão, Daniel Souto, ressalta que existe uma dificuldade para equacionar a questão do efetivo de servidores, mas que a tendência é a concretização da unidade quando a rodovia estiver próxima de entrar em operação. 

Ainda em referência ao tema da segurança, o educador ambiental Cauê Canabarro exibiu imagens do trecho já asfaltado com a presença de animais domésticos e de criação na pista. “A pavimentação implica a necessidade de uma nova postura da comunidade em relação à rodovia. Há um conjunto de dispositivos de segurança disponíveis, mas as pessoas às vezes não estão preparadas para transitar em uma estrada com outra condição. Portanto, é preciso respeitar os limites de velocidade, procurar os lugares certos para atravessar, olhar bem para os lados, cuidar das crianças e evitar o acesso de animais à pista”, salientou. O educador também apresentou partes do projeto de sinalização focando nos movimentos de trânsito que os usuários devem atentar especialmente nas interseções e cruzamentos. Para a representante da Associação de Moradores da Vila Belmiro, Marisa Moro Berti, a reunião esclareceu as principais dúvidas da comunidade. “Além da questão da desapropriação, foi importante saber também que a obra continua e tem recursos”, destacou.